Registro histórico do Premeditando o Breque tem caixa com sete discos do icônico ‘Premê’

Por Magno Santos – Tribuna On Line

Entre o fim da década de 1970 e meados dos anos 1980, São Paulo viveu uma grande efervescência cultural promovida por artistas que estiveram lado a lado na Vanguarda Paulistana. O movimento teve como protagonistas os cantores e compositores Arrigo Barnabé e Itamar Assumpção, as cantoras Tetê Espíndola, Ná Ozzetti, Vânia Bastos e Eliete Negreiros e os grupos Língua de Trapo, Rumo e Premeditando o Breque.

Um dos que obtiveram maior sucesso popular foi o Premeditando o Breque, que ficou mais conhecido como Premê. Surgido na Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), o grupo contava originalmente com Mário Manga, Igor Lintz Mauês, M. Marcelo Galbetti e Claus Petersen. A eles se juntou, em seguida, Wandi Doratiotto.

O Premê começou a ficar conhecido a partir de apresentações no Teatro Lira Paulistana (Rua Teodoro Sampaio, no bairro de Pinheiros), que, à época, se tornou o epicentro da movimentação artística na capital paulista. O profícuo trabalho do quinteto o levou a ser tomado como referência de música inventiva naquele período.

Toda a produção do grupo, registrada em sete CDs, sob os títulos Premeditando o breque, Quase lindo, O melhor dos iguais, Grande coisa, Alegria dos homens, Vivo e Como vencer na vida fazendo música estranha, está sendo relançada pelo Selo Sesc e reunida na Caixinha do Premê, para comemorar os 40 anos do Premeditando o Breque. O sétimo traz músicas conhecidas do púbico, mas nunca antes gravadas em outro álbum, como Valsa didática, Casa de massagem e Zuleica Gaspar. As duas últimas haviam sido censuradas nos anos 1980. Casa de Massagem ganhou clipe.

A Caixinha do Premê — um rico acervo histórico — traz também um encarte com 96 páginas, que conta toda a trajetória da trupe. O material é permeado por fotos de shows e de festivais com a participação do grupo, em São Paulo e cidades do interior paulista e foi remasterizado aqui na Classic Master pelo Carlos Freitas.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *