Foco na Eficiência

Já se passaram 23 anos desde que eu masterizei o meu primeiro projeto, o disco do Arnaldo Antunes “Nome”, ainda na Cia de Áudio em 1994 com lançamento apenas em Vinil.

Ao longo desses anos, acompanhei o final da era do Vinil como mídia principal, toda a era do CD e do download e agora estou acompanhando a solidificação da era do Stream.

O processo de masterização de um álbum sempre foi o mesmo e as técnicas aplicadas foram se adaptando as necessidades técnicas de cada mídia nova que foi surgindo.

Foi assim com o Vinil, com o CD, com o download e agora com o stream.

O que mudou mesmo nesses anos todos foi o conceito de tempo.

“Nome” Arnaldo Antunes – 1994 BMG

Durante a masterização do CD Nome, Eu, o Arnaldo, sua esposa e o alguns músicos que participaram do disco, ficamos 1 semana no estúdio equalizando, comprimindo, ouvindo em dive rsos lugares, refazendo, ouvindo novamente e o projeto ficou pronto depois de muito trabalho e da certeza de que tinhamos esgotado todos os nossos recursos técnicos e artísticos com foco na arte!

O tempo não era um fator determinante nesse processo e sim um aliado, pois nós tínhamos todo o tempo necessário para se preocupar apenas com o processo de masterização e a mídia em que seria distribuído, não perdíamos 1 minuto sequer pensando na distribuição. O projeto chegava ao consumidor nas lojas 30 dias depois do envio da master para a fábrica.

Hoje é exatamente o oposto, o tempo é o fator determinante no processo e não é mais um aliado.

Como exemplo, eu recebi on-line um single mixado pelo Ronaldo Lima no estúdio Casa do Mato no Rio as 10:00 da manhã da dupla Pop Gus & Vic, masterizei para as mídias CD, iTunes e Spotify e ao meio dia enviei on-line para o Ronaldo e a dupla aprovar.

O Projeto chegou ao consumidor no dia seguinte a a música já estava tocando em rádios e mais alguns dias já estava disponível no Spotify, iTunes e YouTube e compartilhado e consumido por centenas de fãs no facebook.

“Sixteen” Gus & Vic – 2017 Independente

O processo de masterizar continua o mesmo que a 20 anos atrás, ou seja, equalizar, comprimir e encontrar elementos que ajude o artista a emocionar o seu fã.

As técnicas, evoluíram e se adaptaram a chegada das normas de normalização de áudio do stream digital, tanto para o iTunes e Spotify, quanto para a TV digital e youtube.

Hoje, o meu objetivo é fazer um grande trabalho de masterização focado na arte e emoção e aplicar técnicas diferentes para lidar com as normas e limitações de cada mídia e isso é pré-requisito para quem quer trabalhar com masterização.

Enviar a música perfeita o mais rápido possível ao cliente é o novo diferencial pois essa é a nova exigência do novo mercado de música global on-line.

Por isso o foco hoje está na eficiência!

2 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *