O meu primeiro contato com a masterização.

O meu primeiro contato com a masterização foi em 1988 e foi por acaso.

Foi na época em que eu ainda trabalhava como Eng. de Gravação nos estúdios Transamérica em SP em 1988 no final da gravação do Álbum ” Todos os Lados” do Capital Inicial.

A Mixagem estava aprovada e pronta para seguir para a fábrica quando o Marcelo Sussekind, produtor do Álbum, me ligou dizendo que queria ouvir comigo novamente todas as músicas e que tinha uma novidade, a gravadora Polygram tinha pedido uma montagem nova para lançar o álbum, além do Vinil, também em CD, algo ainda muito novo e ousado, pois essa mídia era bem nova e desconhecida aqui no Brasil e poucos álbuns tinham sido lançados até então.

Conversamos bastante sobre isso , sobre as possibilidades do CD e começamos a ouvir as músicas mixadas em Fita de 1/4 de polegada na máquina Studer A-80 e s e no final da audição o Marcelo me disse…

“Vamos masterizar?”

Eu disse … o que? ” isso mesmo” respondeu um Marcelo todo empolgado….

“masterizar meu amigo!

você nunca vai se esquecer desse dia, te garanto!”

Preciso de um equalizador, um Compressor e um limiter. Vamos fazer uma equalização e compressão totalmente diferente para o CD.

Quero melhorar o som, que eu já gosto muito, para o CD… se prepare para diversão” disse ele!

Eu tinha comprado um CD Player Discman da Sony em 1987 e tinha apenas 2 CDs, 1 do Police “Ghost in the machine” e outro do “Big Bam Bom”. Eu sabia que o som era incrivelmente melhor que o Vinil, que não continha ruídos, mas eu não conhecia o processo de preparar uma master para CD,.

Ouvimos os 2 CDs que eu tinha e com base em tudo o que conversamos, eu fiz uma nova montagem no próprio tape analógico, mudando a ordem das músicas, pois a montagem original da matriz para o Vinil foi feita levando em conta as limitações do corte de vinil e foi dividido em dois lados e no caso do CD, não tinhamos esse problema.

 

Montei o nosso SET de masterização na técnica do Estúdio Transamérica, com um equalizador orban 6228 , 1 compressor EMT 156 e um par de Limiter Urei 1176 , alinhei tudo , liguei na saida da maquina Studer no “Rack” de Masterização e comecei sem entender muito bem o que estava fazendo e comecei a fazer as correções de equalização e compressão em todas as músicas gravando tudo novamente em Tape na segunda Studer A-80 com dolby SR.

No começo, apanhei um pouco , mas pegamos logo o jeito e seguimos em frente. Passamos horas fazendo isso!

No dia seguinte, ouvimos tudo e o Marcelo estava muito contente com o resultado.

Eu fiz a nova montagem com o audio masterizado , cuidando das passagens entre as musicas e gravei tudo em um DAT 16BITS 48k e mandamos essa matriz para a gravadora.

Eu fiquei tão encantado com o processo que não parava de pensar nisso! Nos divertimos muito e realmente o ganho geral na mixagem foi enorme!

“Todos os Lados” Capital Inicial

Produzido por Marcelo Sussekind

1989 – Polygram

<iframe src="https://open.spotify.com/embed/album/3oU7tAlTdbTXy4o1PuOFkb" width="300" height="380" frameborder="0" allowtransparency="true" allow="encrypted-media"></iframe>
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *